4 de jul de 2010

SOLIDÃO

Eu sem você, para sempre assim


Que resta a mim, Senão, solidão?

Lembranças singelas, nosso amor

Em quimeras!

Teus dias, sem os meus

Tua vida, distante

Minha vida, errante

Dessabores pra sempre

E ser um valente

Não me faz vencedor

Porque, só teu amor

Me faz um amante
De agora em diante

Um poço vazio

Sou só desatino

Adeus, sem amor.



Analúcia Azevedo. 30/07/2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário