5 de set de 2009

POIESIS (POÉTICA DO AMOR)

Onde eu estava, doida e alucinada
Quando me escondi dos meus versos,
Das minhas palavras, do sentimento amor,
Do meu existir?

Onde me revelei e a mim mesma
Reencontrei? Na tua carne
No mel dos nossos beijos
Fluido de delírios e desejos

Me reencontrei
Na poesia repentina
Matutina, anoitecida
Nas rimas sempre bem-vindas

Certamente a minha vida
Sem ela não é nada
Aquece minhas noites, meus dias,
Madrugadas

Palavras, assim como tu,
Me enchem de alvorada.


Analúcia Azevedo. 01/08/2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário