28 de nov de 2010

POESIA

A nossa poesia é uma só

Eu não vejo razão pra separar
.

Todo o conhecimento que está cá

Foi trazido dentro de um só mocó

E ao chegar aqui abriram o nó

E foi como se ela saísse do ovo

.


A poesia recebeu sangue novo

Elementos deveras salutares

Os nomes dos poetas populares

Deveriam estar na boca do povo
.

Os livros que vieram para cá

O Lunário e a Missão Abreviada

A donzela Teodora e a fábula

Obrigaram o sertão a estudar

.


De repente começaram a rimar

A criar um sistema todo novo

O diabo deixou de ser um estorvo

E o boi ocupou outros lugares

.


Os nomes dos poetas populares

Deveriam estar na boca do povo

No contexto de uma sala de aula

Não estarem esses nomes me dá pena

.


A escola devia ensinar

Pro aluno não me achar um bobo

Sem saber que os nomes que eu louvo

São vates de muitas qualidades

.


O aluno devia bater palma

Saber de cada um o nome todo

Se sentir satisfeito e orgulhoso

E falar deles para os de menor idade


Os nomes dos poetas populares."



Antonio Vieira ( Poeta, compositor e cordelista - com mais de 150 livretos lançados - de Santo Amaro da Purificação-BA, falecido em 2007).

Nenhum comentário:

Postar um comentário